BEM-VINDOS

Obrigado pela sua chegada; não se esqueça que é de AMOR AGAPIANO* que essencialmento poeto, também erótico quando a propósito de algumas circunstâncias episódicas nas mais diversas proporções. Como estou avança(n)do no tempo, não se escandalize, porque o que é preciso erradicar do Mundo é o preconceito secular, topo onde está preponderantemente a regressão da Humanidade neste percurso da condição humana, nem sempre adequada ao futurecer* do Homem, albergado corporalmente neste Planeta, sem saber com precisão, na generalidade, onde está a sua/nossa Alma. [ Obs. os astericos* assinalam dois neologismos da nossa Língua ].

Pesquisar neste blogue

sábado, 31 de janeiro de 2009

Se eu morresse amanhã - Carmo Vasconcelos


Uma grande revelação para mim, foi esta poetisa Carmo Vasconcelos, que, na ductilidade do verso, escreve em vários registos estéticos. Clássica e verso-librista, também discorre no discurso romanesco. É por isso multifacetada, e a arte, que dos seus dedos e da sensibilidade escorre, tem picos grandiloquentes. Veria eu com olhos de satisfação se algum livreiro se interessasse por esta excelente poeta, editando toda a sua obra, e estou convencido que ele seria recompensado na correspondência e no retorno comercial, que é isso, presumo, que os empresários editores pensam e querem; oxalá que esta asserção fosse um juízo enganado de quem a profere. Aqui e hoje amostro alguma da sua poesia - mas pode lê-la em -http://carmovasconcelos.spaces.live.com:80/  :
 

Se eu morresse amanhã, não o permita Deus... 
Minha pobre alma penaria sem cessar 
Por não ter pousado o meu último olhar 
Na redentora luz dos queridos olhos teus 

Se eu morresse amanhã, por já prescrita sina 
Sem tempo de dizer-te o que o coração cala 
Pra sempre ouvirias minha negada fala 
A cada passo, a cada som, a cada esquina 

Se eu morresse amanhã, sem tua flor ou poesia 
À tua ficaria minh'alma aprisionada 
Sem luz pra encontrar minha nova morada 
Sem golpe d'asa para voar sem nostalgia 

Se eu morresse amanhã, não o permita Deus... 
Num raio de lua ou brisa morna sentirias 
Roçar-te o rosto na maior das estesias 
Meu beijo de partida em derradeiro adeus!

3 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

Hoje vou deixar minha mensagem para a grande Carmo Vasconcelos, poeta de estirpe, que aprecio e admiro , já por alguns anos, sempre companheira, distinta com sua presença elegante com todos. Meus cumprimentos ao mestre por ter lhe prestigiado com tal homenagem,
Efigênia Coutinho
Presidente Fundadora
Academia Virtual sala de Poetas e Escritores
AVSPE
www.avspe.eti.br/

Carmo Vasconcelos disse...

Ao Mestre Daniel Cristal, POETA MAIOR, os meus parabéns por este Blog! Selecto, distinto, ele é o rosto do próprio Mestre. Nele, brilham as suas letras, como estrelas de rara grandeza, imprescindíveis ao Universo Poético.
Humilde satélite, agradeço hoje, emocionada, a honra de gravitar ao seu lado e ao lado dos Poetas da sua eleição neste espaço tão especial.
Obrigada, Poeta-amigo-irmão!
Sempre teus, minha admiração e meu carinho!
Carminho

Carmo Vasconcelos disse...

À querida e prestigiada Poeta e amiga, Efigénia Coutinho, os meus mais ternos agradecimentos pelas suas generosas palavras. Palavras ditadas por uma já longa amizade e admiração mútuas. É com subida honra que me orgulho da qualidade de Patrono da sua (nossa) AVSPE, que Efigénia Coutinho lidera com despojada dedicação e competência.
Obrigada, amiga de coração!
Minha sempre admiração e carinho
Carminho