BEM-VINDOS

Obrigado pela sua chegada; não se esqueça que é de AMOR AGAPIANO* que essencialmento poeto, também erótico quando a propósito de algumas circunstâncias episódicas nas mais diversas proporções. Como estou avança(n)do no tempo, não se escandalize, porque o que é preciso erradicar do Mundo é o preconceito secular, topo onde está preponderantemente a regressão da Humanidade neste percurso da condição humana, nem sempre adequada ao futurecer* do Homem, albergado corporalmente neste Planeta, sem saber com precisão, na generalidade, onde está a sua/nossa Alma. [ Obs. os astericos* assinalam dois neologismos da nossa Língua ].

Pesquisar neste blogue

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

A Raiva do Tamanho Deste Mundo - Daniel Cristal


A raiva do tamanho deste mundo, 
Perdoai, Deus do céu, este pecado !
Mas creio-me num planeta imundo,
Acho que na origem fui trocado.

Tenho um nó na garganta que me dói
Sinto-me humilhado quanto basta
Não aceito esta minha condição
Pois não vejo num falcão o meu irmão.

Sinto-me só e traído num vespeiro
E esta angústia destrói a minha crença
Numa criança feliz dum mundo ameno
Por isso sou a revolta num incêndio...

Sufoco, amigo... vem, preciso de ajuda
Preciso de alguém amigo que me acuda! 

1 comentário:

Efigênia Coutinho disse...

A Raiva do Tamanho Deste Mundo - Daniel Cristal

Você fala uma das maiores verdades, não nascemos para viver neste mundo imundo, nos os poetas vivemos sim, num mundo alvo, branco,leve,onde tudo sentimos com dor ou amor, e muitas pessoas a nossa volta , não imaginam o que seja uma alma poeta, a nossa linguagem de palavras e sentimentos, muitas vezes nem em dicionários são encontradas, pois vemos o que ninguém vê, sentimos o que ninguém sente, e vivemos o que ninguém jamais saberia compreender, a poesia pura da alma.
Efigênia Coutinho